Jovens da Lousã discutem o Direito ao Lugar

Jovens da Lousã discutem o Direito ao Lugar

Na tarde de sexta-feira, dia 16 de Julho, na Escola Básica Nº1 da Lousã, sob um calor abrasador, realizou-se sessão com jovens na Lousã sobre o projeto da Carta Aberta pelo Direito ao Lugar, da qual a Activar e ADSCCL – Associação de Desenvolvimento Social e Cultural dos Cinco Lugares são organizações
subscritoras.

A atividade iniciou com uma dinâmica de quebra-gelo para que todos se sentissem mais vontade e, logo de seguida, o vídeo da carta aberta deu o mote para a discussão sobre as diferenças existentes entre os dois meios: O RURAL E O URBANO.

Utilizando, uma vez mais, dinâmicas participativas, os jovens foram desafiados a refletirem sobre problemáticas do quotidiano que se vivem nos dois espaços. Para essa reflexão foram apresentadas afirmações, perante as quais teriam de tomar a posição de concordância, discordância ou duvida.

“Os serviços de saúde sãos melhores nas cidades”, “vivemos melhor no campo porque há menos poluição” ou “uma pessoa que vive no campo tem maior probabilidade de entrar na universidade” foram algumas das afirmações/ideias que desafiaram os jovens para o debate. Assim, ao longo de mais de duas horas, os participantes discutiram, de forma entusiasta, as diferenças positivas e menos positivas que se vivem em cada um dos lugares.

Para finalizar a sessão de trabalho, os jovens foram convidados a dizer, em frente às câmaras, porque gostam de viver no meio rural e o que gostariam que fosse diferente. Pretende-se com estes contributos produzir uma “Carta Aberta pelo Direito ao Lugar” em que os protagonistas são os jovens

Este encontro foi dinamizado no âmbito do projeto Espaço J, da Activar, e contou com a participação de uma representante do projeto da Carta Aberta pelo Direito ao Lugar, Sandra Fernandes, que trouxe uma visão diferente e diferenciadora para a discussão.